CHICO BUARQUE: DISCOS FUNDAMENTAIS – CONSTRUÇÃO (1972)

Chico Buarque já era um compositor consagrado quando voltou de um autoexílio na Itália que durou quinze meses. Antes considerado um compositor até certo ponto alienado, com uma obra lírica, baseada no samba e na bossa nova, ele voltou diferente da Europa. Em 1970, lançou a música “Apesar de Você”, um ataque direto à ditadura militar, que inexplicavelmente foi liberado pela censura e vendeu 100 mil cópias, em sete semanas, antes dos censores perceberem o “erro” e recolherem os compactos das lojas. Começava a fase política na obra de Chico Buarque, talvez a sua melhor fase como compositor.



“Construção” foi seu sétimo disco, contando seus dois discos italianos. Lançado pelo selo Philips (desde 1999 faz parte do catálogo da Universal Music) e produzido por Roberto Menescal, o disco foi um grande sucesso e chegou a vender 10 mil cópias por dia, o que obrigou a Philips a contratar duas outras gravados para prensar mais discos. Foram 140 mil cópias vendidas em apenas quatro semanas e, pela primeira vez em anos, Roberto Carlos não teve o disco mais vendido no período natalino. Com pouco mais de 31 minutos, a obra faz críticas sociais diretas, mas também deixa espaço para o lado mais lírico do compositor. Os arranjos do disco foram feitos por Rogério Duprat, o maestro do tropicalismo, e Antônio José Maghabi Filho, o Magrão, do grupo MPB-4.

O disco abre com “Deus Lhe Pague”, uma das mais fortes composições de Chico Buarque, cujo arranjo de Duprat e a letra pesada soam como um ataque direto ao regime político da época, mas no Brasil torna-se atemporal. Em seguida, Chico canta “Cotidiano”, um samba que fala da rotina de um casal, um dos clássicos do compositor. “Desalento” é uma parceria de Chico Buarque e Vinícius de Moraes, com uma melodia bem lírica, a música era o lado B do compacto “Apesar de Você”, com a proibição desse, Chico resolveu incluí-la no disco.


Veja algumas fotos

DISCOS FUNDAMENTAIS DA MPB 3 – SECOS E MOLHADOS – SECOS E MOLHADOS [ 1973 ]

Álbum de estreia da banda Secos e Molhados e um dos meus discos brasileiros preferidos, a obra traz uma mistura de gêneros, é pop, é rock, é MPB, com influência do tropicalismo, do blues e de ritmos portugueses.

Clássicos da MPB #1 – Tropicália ou Panis et Circencis (1968)

Disco manifesto do movimento tropicalista, que propunha a união de manifestações tradicionais da cultura brasileira e inovações estéticas influenciadas pela música pop internacional, como os Beatles, e o movimento literário concretista, surgido na década de 1950 e que se preocupava mais com a organização visual do que com os versos e sintaxes. O movimento surge … Continuar lendo Clássicos da MPB #1 – Tropicália ou Panis et Circencis (1968)

LED ZEPPELIN: CINCO DISCOS PARA CONHECER A BANDA

Fundada, em 1968, pelo vocalista Robert Plant, o guitarrista Jimmy Page, o baixista e tecladista John Paul Jones, e o baterista John Bonham, o Led Zeppelin é considerado um dos três grupos (com o Black Sabbath e o Deep Purple) responsável pelo surgimento e consolidação do gênero heavy metal, e, também, é considerada uma das melhores bandas de rock de todos os tempos.



Ouça o disco enquanto faz a leitura


Na sequência vem “Construção”, uma das grandes músicas da história da MPB e uma obra-prima no repertório de Chico Buarque. A composição conta a história de um operário da construção civil condenado a morrer no seu trabalho, com um espetacular arranjo, a letra vai se repetindo, mas a troca de palavras entre um verso e outro vão mudando seu significado e tornando-a cada vez mais dramática. Uma obra única. De forma genial, “Deus Lhe Pague” é repetida logo após “Construção”, criando um momento único de crítica social, poucas vezes igualado na música brasileira.

A crítica ao regime militar continua em “Cordão”, onde Chico Buarque utiliza um inteligente jogo de palavras. “Olha Maria (Amparo)” é uma melancólica composição, uma parceria de Chico com Tom Jobim, que toca piano na música, e Vinícius de Moraes. Segue com “Samba do Orly”, escrita na Itália, mais uma parceria com Vinícius e Toquinho, companheiro de exílio de Chico, que toca violão. A música, que trata do exílio, conta ainda com o Trio Mocotó na percussão. “Valsinha”, outro grande sucesso do disco, foi outra parceria com Vinícius de Moraes, uma das mais belas e românticas músicas do repertório de Chico Buarque.


Anúncios
Anúncios
Anúncios
Participamos do Programa de Associados da Amazon, um serviço de intermediação entre a Amazon e os clientes, que remunera a inclusão de links para o site da Amazon e os sites afiliados.

“Minha História” é uma versão da música “Gesù Bambino”, do cantor e compositor italiano Lucio Dalla e Paola Pallotino. A censura proibiu o nome “Jesus Menino”, como queria Chico Buarque, que teve que mudar o título. É uma bela canção e uma crítica social. O disco é encerrado com uma canção de ninar, “Acalanto”, com uma bonita melodia e uma letra triste. Vale ressaltar a participação do grupo MPB-4, parceiros constantes de Chico Buarque, que fazem o reforço vocal nas músicas “Deus Lhe Pague”, “Desalento”, “Construção”, “Samba do Orly” e “Minha História”. Um dos grandes discos de Chico Buarque, talvez o mais importante, uma obra-prima fundamental, uma resistência artística em um período negro da história do Brasil.

EDDIE VAN HALEN: CINCO DISCOS PARA CONHECER SEU TALENTO NA GUITARRA

Fomos recentemente informados da morte do guitarrista Eddie Van Halen, um dos mais influentes de todos os tempos, que revolucionou a forma de tocar guitarra, acelerou os acordes do rock e até ajudou a aprimorar o instrumento. Edward Lodewijk Van Halen e seu irmão Alex nasceram na Holanda, filhos de um músico de jazz local … Continuar lendo EDDIE VAN HALEN: CINCO DISCOS PARA CONHECER SEU TALENTO NA GUITARRA


Conheça o POTCAST – O Podcast da Maconharia420

#10 | A Democracia Corinthiana PotCast – Podcast da Maconharia420

Na década de 80, os jogadores do #Corinthians junto com todos os funcionários do clube instauraram a "#Democracia #Corinthiana", onde todos os funcionários do clube tinham voz ativa e podiam #votar para diversas coisas, como escolha do técnico, contratação de #jogadores ou até mesmo poder tomar uma cervejinha no almoço e não fazer #concentração antes dos jogos. No entanto, o espírito democrático do clube é originário de sua fundação em 1910, onde o #clube foi formado por #operários de São Paulo em uma época onde o #futebol era um esporte das elites e parcelas mais pobres da população não eram bem vistas no #esporte. Aperta um, aperta o play e passa a bola! Bom POTCAST à todxs. SALVE O CORINTHIANS! — Support this podcast: https://anchor.fm/potcast-maconharia420/support
  1. #10 | A Democracia Corinthiana
  2. #9 | Maconha medicinal com o médico Dr. Pedro Melo
  3. #8 | História – Origem dos mitos, crenças e ateísmo. Da pré-história ao Iluminismo [ Pt -02 ]

Gostou do conteúdo? Se inscreve ali embaixo e receba as novidades da Maconharia420 por e-mail!

Processando…
Sucesso! Você está na lista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s