CHICO BUARQUE: DISCOS FUNDAMENTAIS – CONSTRUÇÃO (1972)

Chico Buarque já era um compositor consagrado quando voltou de um autoexílio na Itália que durou quinze meses. Antes considerado um compositor até certo ponto alienado, com uma obra lírica, baseada no samba e na bossa nova, ele voltou diferente da Europa. Em 1970, lançou a música “Apesar de Você”, um ataque direto à ditadura militar, que inexplicavelmente foi liberado pela censura e vendeu 100 mil cópias, em sete semanas, antes dos censores perceberem o “erro” e recolherem os compactos das lojas. Começava a fase política na obra de Chico Buarque, talvez a sua melhor fase como compositor.


“Construção” foi seu sétimo disco, contando seus dois discos italianos. Lançado pelo selo Philips (desde 1999 faz parte do catálogo da Universal Music) e produzido por Roberto Menescal, o disco foi um grande sucesso e chegou a vender 10 mil cópias por dia, o que obrigou a Philips a contratar duas outras gravados para prensar mais discos. Foram 140 mil cópias vendidas em apenas quatro semanas e, pela primeira vez em anos, Roberto Carlos não teve o disco mais vendido no período natalino. Com pouco mais de 31 minutos, a obra faz críticas sociais diretas, mas também deixa espaço para o lado mais lírico do compositor. Os arranjos do disco foram feitos por Rogério Duprat, o maestro do tropicalismo, e Antônio José Maghabi Filho, o Magrão, do grupo MPB-4.

O disco abre com “Deus Lhe Pague”, uma das mais fortes composições de Chico Buarque, cujo arranjo de Duprat e a letra pesada soam como um ataque direto ao regime político da época, mas no Brasil torna-se atemporal. Em seguida, Chico canta “Cotidiano”, um samba que fala da rotina de um casal, um dos clássicos do compositor. “Desalento” é uma parceria de Chico Buarque e Vinícius de Moraes, com uma melodia bem lírica, a música era o lado B do compacto “Apesar de Você”, com a proibição desse, Chico resolveu incluí-la no disco.


Veja algumas fotos

JORGE BEN: A TÁBUA DE ESMERALDA (1974)

Jorge Duílio Lima Meneses, conhecido como Jorge Ben e Jorge Ben Jor, é um violonista, pandeirista, guitarrista, percussionista, cantor e compositor brasileiro. Em 2008 a revista Rolling Stone Brasil o nomeou como o 5º maior artista da história da música brasileira.

Continue lendo

BELCHIOR: ALUCINAÇÃO (1976)

Antônio Carlos Belchior nasceu em Sobral, no Ceará, no dia 26 de outubro de 1946, e faleceu em Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, em 2017. Ele estudou piano na infância e, em 1962, mudou-se para Fortaleza, onde estudou Filosofia e, depois, Medicina, curso que abandonou em 1971, para se dedicar à

NOVOS BAIANOS – ACABOU CHORARE [ 1972 ]

Segundo disco do grupo Novos Baianos, depois de “É Ferro na Boneca”, de 1970, “Acabou Chorare” tornou-se uma das mais influentes obras da música popular brasileira, ao misturar o rock com o samba antigo e o choro; Jimmy Hendrix com Assis Valente, Ary Barroso e Jackson do Pandeiro. A obra foi escolhida o melhor disco



Ouça o disco enquanto faz a leitura


Na sequência vem “Construção”, uma das grandes músicas da história da MPB e uma obra-prima no repertório de Chico Buarque. A composição conta a história de um operário da construção civil condenado a morrer no seu trabalho, com um espetacular arranjo, a letra vai se repetindo, mas a troca de palavras entre um verso e outro vão mudando seu significado e tornando-a cada vez mais dramática. Uma obra única. De forma genial, “Deus Lhe Pague” é repetida logo após “Construção”, criando um momento único de crítica social, poucas vezes igualado na música brasileira.

A crítica ao regime militar continua em “Cordão”, onde Chico Buarque utiliza um inteligente jogo de palavras. “Olha Maria (Amparo)” é uma melancólica composição, uma parceria de Chico com Tom Jobim, que toca piano na música, e Vinícius de Moraes. Segue com “Samba do Orly”, escrita na Itália, mais uma parceria com Vinícius e Toquinho, companheiro de exílio de Chico, que toca violão. A música, que trata do exílio, conta ainda com o Trio Mocotó na percussão. “Valsinha”, outro grande sucesso do disco, foi outra parceria com Vinícius de Moraes, uma das mais belas e românticas músicas do repertório de Chico Buarque.


Anúncios
Anúncios
Participamos do Programa de Associados da Amazon, um serviço de intermediação entre a Amazon e os clientes, que remunera a inclusão de links para o site da Amazon e os sites afiliados.

“Minha História” é uma versão da música “Gesù Bambino”, do cantor e compositor italiano Lucio Dalla e Paola Pallotino. A censura proibiu o nome “Jesus Menino”, como queria Chico Buarque, que teve que mudar o título. É uma bela canção e uma crítica social. O disco é encerrado com uma canção de ninar, “Acalanto”, com uma bonita melodia e uma letra triste. Vale ressaltar a participação do grupo MPB-4, parceiros constantes de Chico Buarque, que fazem o reforço vocal nas músicas “Deus Lhe Pague”, “Desalento”, “Construção”, “Samba do Orly” e “Minha História”. Um dos grandes discos de Chico Buarque, talvez o mais importante, uma obra-prima fundamental, uma resistência artística em um período negro da história do Brasil.

AS ORIGENS DO ATEÍSMO – 2ª PARTE

A descrença e o desinteresse pelos dogmas cristãos eram grandes, não diferia muito do tempo romano. Abundam superstições, curandeirismo, crença em objetos que “pertenceram” aos santos. Na Inglaterra, por exemplo, ainda existem pessoas que cultuam o Sol ou a Lua. Grutas, fontes e árvores ainda são objetos de culto em alguns lugares da Itália, da Espanha e da Bretanha.


Conheça o POTCAST – O Podcast da Maconharia420

#12 | Maconha medicinal com Gilberto Castro PotCast – Podcast da Maconharia420

Dessa vez conversei com o Gilberto Castro (@gilberto_castro420), que é paciente de #maconha #medicinal para o tratamento de #esclerose #múltipla. Gilberto foi diagnosticado em 1999 e lhe foi dado mais 6 anos de vida útil. Não se conformando, começou a estudar os usos da maconha no tratamento da esclerose múltipla. A doença evoluiu ao ponto de deixar Gilberto na cadeira de rodas e sem conseguir falar direito. Segundo próprio relato, a maconha lhe devolveu a vida. Hoje, graças à #erva, Gilberto voltou a andar e sua #cognição voltou ao normal. Graças à um #habeas #corpus preventivo, Gilberto pode cultivar seu remédio em casa e usá-lo onde necessário. #cannabismedicinal #medicinal #mmj  — Support this podcast: https://anchor.fm/potcast-maconharia420/support
  1. #12 | Maconha medicinal com Gilberto Castro
  2. #11 | Aspectos legais da Maconha. História e legalização com Rômulo Alves (CBD Express)
  3. #10 | A Democracia Corinthiana

Se inscreva

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s