CINCO ÁLBUNS ESPETACULARES DO RUSH

O ano de 2020 começou com a péssima notícia da morte do baterista Neil Peart, lenda das baquetas. Em sua homenagem resolvi fazer esta lista. Fundada em 1968, na cidade canadense de Toronto, o Rush tornou-se uma das bandas mais adoradas pelo público e uma das mais respeitadas pelos músicos em geral. O Rush foi fundado pelo guitarrista Alex Lifeson, o baixista e vocalista Jeff Jones e o baterista John Rutsey. Geddy Lee assumiu o vocal e o baixo da banda no mesmo ano da fundação e, ainda com essa formação, gravaram o primeiro disco homônimo em 1974. Nesse mesmo ano, Rutsey deixou o grupo e foi substituído por Neil Peart, completando assim a formação clássica, que permaneceria junta até o fim oficial da banda, em 2018. Os discos estão em ordem de lançamento.




1 – “Fly By Night” (1975)

Depois de um primeiro disco mais hard rock e com um novo baterista, o genial Neil Peart, a banda acrescenta em suas músicas elementos de rock progressivo. O som entre o progressivo e o rock pesado caracterizariam o som do grupo nessa década. Além de grande baterista, Peart tornou-se um dos principais compositores do Rush. Entre os destaques do disco, “Anthem”, “By-Tor & The Snow Dog”, dividida em quatro atos, “Rivendell”, e a clássica “Fly By Night”.

Ouça o disco aqui


2 – “2112” (1976)

Um dos maiores sucessos comerciais da banda, foi o primeiro disco do Rush a alcançar o Top 100 da Bilboard. O grande destaque é a música que dá título ao disco, que ocupava todo o lado A do LP, dividida em sete atos e com mais de vinte minutos de duração. A música conta uma estória futurista, de um mundo dominado pelos sacerdotes, que é abalado quando um violão é encontrado. As outras músicas não tem relação com o lado A, mas formam uma obra espetacular.

Ouça o disco aqui



CLIQUE AQUI PARA COMPRAR PRODUTOS INCRÍVEIS DO RUSH
Participamos do Programa de Associados da Amazon, um serviço de intermediação entre a Amazon e os clientes, que remunera a inclusão de links para o site da Amazon e os sites afiliados.

3 – “A Farewell to Kings” (1977)

Após a longa turnê que seguiu o álbum anterior, o trio se confinou em um estúdio na zona rural do País de Gales, onde criaram essa obra. Neil Peart começou a usar seus famosos sininhos e Alex Lifeson começou a flertar com os sintetizadores. Além da faixa título, que abre o álbum, o trabalho trás dois dos maiores clássicos da banda, “Xanadu” e “Closer to the Heart”, e fecha com “Cygnus X-1 Book: The Voyage”, dividida em quatro atos.

Ouça o disco aqui



4 – “Hemispheres” (1978)

Gravado no mesmo local do disco anterior, tornou-se uma dos mais aclamados da banda e muito bem sucedido comercialmente, alcançando a décima-quarta posição nas paradas do Canadá e do Reino Unido, e o quadragésimo primeiro lugar nos Estados Unidos. Na época, todo o lado A do LP era ocupado por “Cygnus X-1 Book II: Hemispheres”, dividida em seis atos e uma continuação da última música do álbum anterior. A música foi composta por Neil Peart, que adicionou à sua bateria o gongo e o tímpano. Completam o disco duas faixas mais curtas, “Circunstances” e “The Trees”, e a instrumental “La Villa Strangiato”, dividida em doze seções distintas. Uma obra-prima.

Ouça o disco aqui


CLIQUE AQUI PARA COMPRAR PRODUTOS INCRÍVEIS DO RUSH
Participamos do Programa de Associados da Amazon, um serviço de intermediação entre a Amazon e os clientes, que remunera a inclusão de links para o site da Amazon e os sites afiliados.

5 – “Moving Pictures” (1981)

Oitavo disco da banda, com músicas mais compactas, o trabalho tornou-se o mais bem sucedido comercialmente, alcançando o primeiro lugar no Canadá e o terceiro no Reino Unido e nos Estados Unidos, naquele ano. Uma coleção única de clássicos, que tornam o todo perfeito: “Tom Sawyer”, Red Barchetta”, “YYZ”, “Limelight”, “The Camera Eye”, “Witch Hunt”, “Vital Signs”. Peart com a sua superbateria completa, Lifenson assumindo de vez os sintetizadores e a cozinha Lee/Peart cada vez melhor.

Ouça o disco aqui


CINCO LIVROS PARA COMEÇAR A CONHECER STEPHEN KING

Stephen King é considerado um dos mestres do terror literário, conhecido como o “Rei do Terror”, apesar de ter escrito obras de outros gêneros. Nascido no dia 21 de setembro de 1947, na cidade de Portland, no estado do Maine, ele já escreveu cinquenta e nove romances, sendo seis com o pseudônimo de Richard Bachman, seis livros de não ficção e cerca de duzentos contos, somando mais de quatrocentos milhões de livros vendidos.




Gostou do nosso conteúdo?

Se inscreve logo ali embaixo e receba as novidades da Maconharia420 no seu e-mail!

Processando…
Sucesso! Você está na lista.

Nos siga nas redes sociais!

Um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s